E.E.E.F.M. FREI OTHMAR - Santarém-PA

  • 1Dinamismo e aprendizado
  • 2Fruto de esforço e dedicação
  • 3Além das salas de aula
1 2 3
Qualidade na educação: Professor bem remunerado, condições de trabalho e estudantes bem assistidos em escolas dignas.

Agenda

Atenção: de 19 de janeiro a 05 de fevereiro, período da recuperação final!


Cadastre seu e-mail e receba novidades!
Artigo e opinião
Estudante não tem renda e precisa chegar à escola... - 17/1/2013
Por: Pe Edilberto Sena

Por isso, tem direito à carteirinha de meia passagem. É justo, ele e ela precisam estudar. As duas organizações estudantis alertam que as carteirinhas não terão reajuste neste ano. Mas algo neste alerta desperta uma reflexão, ou duas. Uma delas é sobre as finalidades das associações estudantis. Será apenas para lutar por meia passagem e prover carteirinha de estudante? Seus estatutos preveem algum outro objetivo?

E os enfrentamentos de outras questões sociais, estudantes não têm nada a ver? A luta em defesa dos igarapés, a luta contra os crimes imobiliários nas rodovias Curuá-Una e Fernando Guilhon, por exemplo, não fazem parte dos compromissos das organizações estudantis? A outra reflexão é sobre o uso dos recursos arrecadados com a venda das carteirinhas. Os sócios da UES, universitários pagam 8  reais e os menores pagam mais, 10 reais por carteirinha. Por que essa diferença de preços? Será que o custo de produção da cada carteirinha é de 8 para uma  e 10 reais para outra?

Fazendo um cálculo matemático: São cerca de 8 mil universitários em Santarém. Todos adquirindo sua carteirinha, a UES arrecada cerca de 64 mil reais; a outra organização AES deve atender a cerca de 30 mil estudantes de nível médio e cerca de 20 mil estudantes de nível fundamental de 5ª a 8ª série, que já utilizam a carteirinha ao longo do ano. Isso dá uma arrecadação de cerca de 500 mil reais.

Tais volumes de dinheiro pela venda de carteirinha são aplicados em quê? Quem controla e quem presta conta? Fica impressão que a entrega de carteiras de estudantes é um negócio e não um serviço, o que deveria ser. Os pais e os estudantes deveriam saber responder a essas indagações, porque o custo sai do bolso deles, mas parece que não há essa preocupação. As coordenações das duas organizações estudantis ficariam de bem com a sociedade, se fizessem explicações sobre como é aplicado o resultado das vendas de carteirinhas.

Afinal, parece tão pouco 8 e 10 reais para uso durante um ano inteiro, mas somando tudo aparece um bom volume. Também não parece preocupação de estudantes dinamizar sua organização para exercício de cidadania da categoria na sociedade civil. Só lutar por meia passagem e fornecer carteirinha pode ser suficiente para a UES e AES. Mas que é pouco é, para quem está sendo educado.

Fonte: Rádio Rural

Voltar

Artigo e opinião
25/2/2016
Um modelo de roteiro para programa de rádio escolar
Por: Coordenação Rádio Zara
29/8/2015
Incongruências do SINTEPP parte III: o FIM
Por: Professor Fernando de Pina Carvalho
7/6/2015
Incongruências do SINTEPP parte II: o pós-greve
Por: Fernando de Pina Carvalho
Página 1 de 8 - Primeira Anterior [ 1 ] 2 3 4 5 Próxima Ultima
Apoio

Mural de opinião
Mande a sua
   

E.E.E.F.M. FREI OTHMAR
Trav. Prof. José Agostinho, s/n. Santíssimo
CEP 68010-230 - Sanatarém - Pará
fone: 3523-2246
E-mail: escolafreiothomar@seduc.pa.gov

Nossa redação: redacao@escolafreiothmar.g12.br

Área restrita